Ouvidoria   

PCR, teste rápido, autoteste… Entenda as... Coronavírus

5 receitas de lanches rápidos e fáceis para... Alimentos do Bem, Coronavírus, Filhos e Gestação, Saúde do Homem e da Mulher

Preparamos dicas de séries, músicas e podcast Coronavírus, Equilíbrio | Saúde Emocional

Gripe: vacinação é a melhor forma de se proteger

No caso de pessoas com alergia grave a ovo ou com histórico de reação grave anterior à vacina, é recomendada uma avaliação médica prévia

27 de abril de 2022

É justamente nos meses de outono e inverno que os casos de gripe aumentam. E a vacinação torna-se ainda mais importante. Por isso, anualmente, o Ministério da Saúde promove a campanha nacional de vacinação contra a gripe em todo o território nacional logo que os termômetros começam a descer.

Para a campanha contra gripe deste ano, o Ministério da Saúde contratou mais de 80 milhões de doses de vacina. Após a imunização do público prioritário, outros grupos poderão ser incluídos na campanha, como ocorre todos os anos, conforme decisão dos estados e municípios.

Mesmo quem foi vacinado no ano passado deve receber novamente o imunizante. Isso porque o vírus influenza sofre mutações e a circulação dos subtipos muda regularmente. Para que seja eficaz ao sistema imunológico da população, as vacinas passam por pequenas mudanças a cada ano e são elaboradas de acordo com os subtipos prevalentes.

Quem deve se vacinar?

Os médicos orientam que apenas quem estiver com febre deve adiar a vacinação por alguns dias, até que o quadro seja revertido, para que não haja confusão de uma possível reação à vacina com manifestações de alguma doença.

No caso de pessoas com alergia grave a ovo ou com histórico de reação grave anterior à vacina, é recomendada uma avaliação médica prévia.

Para todos os imunizados, o que pode acontecer é o surgimento de algumas reações. As mais comuns são dor no local da aplicação, mal-estar e febre. No entanto, é muito importante ressaltar que a vacina não desencadeia gripe, pois os pedaços de vírus usados em sua fabricação estão inativados e não causam nenhum problema à saúde de quem a recebe.

Prevenção

Os médicos imunologistas afirmam que não há outra medida protetiva que substitua a vacina. No entanto, diversas atitudes favorecem a prevenção da gripe. Conheça as principais:

  • Mantenha a higiene constante das mãos: lave-as com água e sabão e, quando não for possível, use álcool gel
  • Evite contato com as mucosas
  • Evite lugares fechados, sem ventilação
  • Não compartilhe objetos pessoais como copos, talheres e toalhas
  • Cubra a boca e o nariz com um lenço descartável ao espirrar ou tossir
  • Higienize com frequência computadores e outros equipamentos eletrônicos que costumam ser compartilhados, como tablet e telefone celular
  • Mantenha os ambientes sempre bem arejados, até mesmo em dias mais frios
  • Mantenha uma alimentação saudável e consuma regularmente alimentos ricos em vitamina C, como laranja, acerola e morango, que ajudam a fortalecer o sistema imunológico

Gripe x Covid: como diferenciar?

Conforme os especialistas, é comum confundir a identificação de casos, já que se tratam de duas doenças respiratórias com sintomas semelhantes.

E, então, como diferenciar as doenças? O primeiro passo é conhecer os sintomas de cada uma delas.

Preparamos um post especial para você não ficar na dúvida. Clique aqui e acesse agora mesmo. No quadro abaixo você também percebe as dierenças entre cada uma:

Fontes: OMS, OPAS e Ministério da Saúde

Veja o calendário da Campanha de Vacinação contra a gripe em 2022

Primeira etapa: de 4/4 a 2/5

  • Idosos com 60 anos ou mais; e
  • Trabalhadores da saúde.

Segunda etapa: de 3/5 a 3/6

  • Crianças de 6 meses a menores de 5 anos de idade (4 anos, 11 meses e 29 dias);
  • Gestantes e puérperas;
  • Povos indígenas;
  • Professores;
  • Pessoas com comorbidade;
  • Pessoas com deficiência permanente;
  • Forças de segurança e salvamento e Forças Armadas;
  • Caminhoneiros e trabalhadores de transporte coletivo rodoviário;
  • Trabalhadores portuários;
  • Funcionários do sistema prisional;
  • Adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas; e
  • População privada de liberdade.