Diabetes gestacional: como evitar? Pais e filhos

Outubro Rosa: foco na saúde da mulher como um... Unimed VTRP

Sabia que rir pode ser um santo remédio? Saúde Emocional

Dengue: vales do Taquari e Rio Pardo tem municípios infestados pelo Aedes Aegypt, e você precisa fazer sua parte!

Prevenção e atenção de todos é fundamental, pois entramos na época crítica do ano

26 de setembro de 2019

Neste ano, dezenas de municípios dos vales do Taquari e Rio Pardo apresentam quadro de infestação pelo temido mosquito Aedes aegypti. Este inseto transmite as famosas arboviroeses, como dengue, Chykungunya e Zika Virus. O quadro é preocupante, pois com o início da Primavera, chega o período de chuvas volumosas. Isto, somado aos dias mais quentes, torna a ameaça de propagação do mosquito algo sério que precisa ser combatido pelo poder público, e por cada um de nós, em nossas casas e local de trabalho.

Para se ter uma ideia, Santa Cruz do Sul já conta com mais de 100 notificações, e 38 casos confirmados. Lajeado aguarda retorno da Secretaria de Saúde do RS, mas já trabalha com um provável caso confirmado também.

Por isso, é hora de todos se mobilizarem para afastar esta ameaça de nossa região! E o melhor caminho para chegar lá, é com informação.

O QUE É A DENGUE?

A dengue é uma doença febril grave causada por um arbovírus. Arbovírus são vírus transmitidos por picadas de insetos, especialmente os mosquitos. Existem quatro tipos de vírus de dengue (sorotipos 1, 2, 3 e 4). Cada pessoa pode ter os 4 sorotipos da doença, mas a infecção por um sorotipo gera imunidade permanente para ele.

O transmissor (vetor) da dengue é o mosquito Aedes aegypti, que precisa de água parada para se proliferar. O período do ano com maior transmissão são os meses mais chuvosos de cada região, mas é importante manter a higiene e evitar água parada todos os dias, porque os ovos do mosquito podem sobreviver por um ano até encontrar as melhores condições para se desenvolver.

Todas as faixas etárias são igualmente suscetíveis, porém as pessoas mais velhas têm maior risco de desenvolver dengue grave e outras complicações que podem levar à morte. O risco de gravidade e morte aumenta quando a pessoa tem alguma doença crônica, como diabetes e hipertensão, mesmo tratada.

QUAIS OS PRINCIPAIS SINTOMAS?

  • Febre alta, maior que 38.5ºC
  • Dores musculares intensas
  • Dor ao movimentar os olhos
  • Mal estar
  • Falta de apetite
  • Dor de cabeça
  • Manchas vermelhas no corpo

QUAIS OS SINAIS DE ALARME?

  • Dor abdominal intensa e contínua, ou dor à palpação do abdome
  • Vômitos persistentes
  • Acumulação de líquidos (ascites, derrame pleural, derrame pericárdico)
  • Sangramento de mucosa ou outra hemorragia
  • Aumento progressivo do hematócrito
  • Queda abrupta das plaquetas

E A TRANSMISSÃO?

A dengue é transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti. Após picar uma pessoa infectada com um dos quatro sorotipos do vírus, a fêmea pode transmitir o vírus para outras pessoas. Há registro de transmissão por transfusão sanguínea.

Não há transmissão da mulher grávida para o feto, mas a infecção por dengue pode levar a mãe a abortar ou ter um parto prematuro, além da gestante estar mais exposta para desenvolver o quadro grave da doença, que pode levar à morte. Por isso, é importante combater o mosquito da dengue, fazendo limpeza adequada e não deixando água parada em pneus, vasos de plantas, garrafas, pneus ou outros recipientes que possam servir de reprodução do mosquito Aedes Aegypti.

Em populações vulneráveis, como crianças e idosos com mais de 65 anos, o vírus da dengue pode interagir com doenças pré-existentes e levar ao quadro grave ou gerar maiores complicações nas condições clínicas de saúde da pessoa.

ATENÇÃO: A dengue não é transmissível de pessoa a pessoa e não provoca sequelas, se tratada corretamente.

E COMO SE PREVENIR?

É preciso agir, e evitar focos de água parada. Separamos nove cenários onde você deve presta muita atenção:

  • Pratos de vasos de plantas – substitua a água por areia
  • Flores em vasos – troque a água duas vezes por semana
  • Filtros ou potes de água – mantenha todos bem fechados, com tampas próprias
  • Caixa d’água – mantenha sempre tampada ou, pelo menos, com tela
  • Tambor, barril e latão – quando não usados, devem ficar virados; senão, devem ser cobertos com tampa ou tela de mosquiteiro
  • Pneus – guarde os pneus secos, em local coberto
  • Latas e garrafas – guarde em local coberto e, de preferência, viradas ou tampadas
  • Calhas – mantenha-as sempre limpas, desentupidas e sem pontos de acúmulo de água
  • Lajes – manhtenha-as sempre limpas com pontos de saída de água desentupidos e sem depressões que permitam acúmulo de água

Todas estas atitudes podem afastar a ameaça da nossa região. Mobilize seus amigos e sua família, e vamos combater este mosquito!

Categoria: Unimed VTRP