Ouvidoria

Sou um desastre na cozinha… Por onde eu... Alimentação Saudável, Coronavírus

Alimentos que fortalecem a imunidade: você vai... Alimentação Saudável, Coronavírus, Outubro Rosa

Seu filho não quer comer? Como lidar? Alimentação Saudável, Coronavírus, Filhos e Gestação

Como explicar o coronavírus para crianças?

Para te ajudar nesta missão, montamos uma cartilha especial, didática e lúdica. Baixe aqui gratuitamente!

24 de março de 2020

As notícias e a tensão das pessoas do seu grupo familiar podem deixar as crianças apreensivas quanto ao coronavírus e seus reflexos em vários países do mundo. Combinado a isso, a suspensão das aulas e a mudança na rotina também as deixam confusas.

Para dar mais segurança quanto aos acontecimentos, é importante que se converse sobre o assunto e se dê orientações sobre as medidas preventivas a serem seguidas.

Sabemos que não é tão fácil fazer com que elas lavem a mão ou não a levem até olhos, nariz e boca, por exemplo, mas a ajuda de um adulto pode evitar o contágio, mesmo os pequenos não fazendo parte do grupo de risco.

Para explicar ao seu filho sobre o Covid-19 de forma mais didática e lúdica, montamos uma cartilha especial. Nela, a Supergurizada explica quem é o nosso “inimigo invisível” e atitudes que podem o derrotar.

——-BAIXE AQUI A CARTILHA——-

Outro fator que traz dúvidas aos pais é a necessidade de levar o filho ao médico caso surjam sintomas gripais. A recomendação é semelhante à dada aos adultos, evitando o máximo a ida a hospitais ou postos de saúde. Isto, porque quando já estamos com o sistema imunológico enfraquecidos, ficamos mais suscetíveis a outras contaminações.

Por isso, o indicado é que se entre em contato com o pediatra do seu filho e explique os sintomas. Caso o médico suspeite de um quadro mais grave, ligue para o Disque Coronavírus Unimed  (0800 051 78 00), que poderá fazer as demais recomendações. Importante lembrar que, de forma geral, as crianças tem apresentado menos sintomas ligados à doença. Conforme divulgado pela Gaúcha ZH, a partir de uma pesquisa publicada no The Pediatric Infectious Disease Journal, apenas 2% das hospitalizações ligadas ao vírus correspondem a crianças e adolescentes.  Sendo que a maioria dos pacientes já tinha alguma outra doença pré-existente.

Apesar disso, ressalta-se que, apesar de menos afetadas pela pandemia, as crianças podem transmitir o vírus a outras pessoas, como aos avós (que são grupo de risco e estão mais propensos a complicações, principalmente se já tiverem algum problema de saúde), por isso a indicação de cuidar com o contato neste período.

Dicas finais:

  • Explique ao seu filho, de forma simples, o que está acontecendo (nossa cartilha pode ajudar nisso);
  • Incentive bons hábitos de saúde e fique de olho nas manifestações do seu corpo;
  • Evite deixar o seu filho com os avós neste período, pois pessoas com mais de 60 anos estão no grupo de risco. Faça uma ligação para contar as novidades e matar a saudade, mas deixe o contato e carinho presencial para depois da quarentena;
  • E por fim, aproveite os dias em casa para explorar novas brincadeiras e criar diálogos criativos com os pequenos (afinal, nem sempre temos essa oportunidade durante o ano, né?).