Ouvidoria

Preparamos dicas de séries, músicas e podcast Coronavírus, Saúde Emocional

Cuidados com a pele das crianças no sol e no... Atividade Física, Filhos e Gestação

Sou um desastre na cozinha… Por onde eu... Alimentação Saudável, Coronavírus

Comer bem pode ser barato, dicas para melhorar a alimentação

15 de outubro de 2013

Uma das desculpas para não manter uma alimentação equilibrada é o valor alto dos alimentos considerados saudáveis. Pequenas mudanças nos hábitos diários podem garantir melhor qualidade de vida e comida saudável pode não representar reais a menos no bolso. As escolhas na hora de fazer compras no supermercado ou de montar um prato em um restaurante self-service podem fazer grandes diferenças para a saúde. Uma alimentação saudável, para o Ministério da Saúde, é, em termos gerais, saborosa, variada, colorida, acessível do ponto de vista físico e financeiro, equilibrada em quantidade e qualidade e segura sanitariamente. Mas essa alimentação ainda tem que ser adotada por parte dos brasileiros. Alimentação saudável tem seu custo definido a partir das escolhas. É claro que um kiwi, um pêssego, uma ameixa, uma cereja, uma lichia são alimentos saudáveis e muito caros. Mas a banana, a laranja, o abacaxi, a melancia são acessíveis. Comer fora de casa também pode ser um fator de desequilíbrio alimentar. Com tantas opções disponíveis, fica difícil dosar as quantidades e a qualidade dos alimentos. Muita gente recorre ao self-service. Nesses restaurantes está disponível uma alimentação saudável, mas acabamos por colocar tudo no prato, sem busca harmonia. m Uma pesquisa divulgada pelo Ministério da Saúde mostra que:

  • 51% da população acima de 18 anos estão acima do peso ideal;
  • Apenas 22,7% da população consomem a quantidade recomendada de frutas e verduras.

Segundo a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2008-2009, apesar de haver uma ingestão satisfatória de proteínas, o consumo excessivo de açúcares foi observada em 61% da população, o de gorduras saturadas, em 82%. O consumo insuficiente de fibras foi observado em 68% dos brasileiros. Quanto ao sal, o consumo diário no país é 12 gramas, enquanto o recomendado pela Organização Mundial da Saúde é 5 gramas. Além do excesso de peso, outros problemas são associados aos maus hábitos alimentares, como pressão alta, colesterol alto e diabetes.

Pequenas atitudes fazem diferença:

  • Faça diariamente 3 refeições e 2 lanches
  • Prefira os grãos integrais
  • Coma todos os dias 3 porções de legumes e verduras e frutas
  • Feijão e arroz devem ser consumidos 5 vezes na semana
  • Consuma diariamente 1 porção de leite ou derivados
  • Uma porção deve ser o máximo de consumo de azeite, manteiga ou margarina
  • Refrigerantes, sucos industrializados, biscoitos, bolos e outras guloseimas podem aparecer na dieta no máximo 2 vezes por semana
  • Reduza o consumo de sal
  • Beba pelo menos 2 litros de água por dia
  • Evite as bebidas alcoólicas e o cigarro, faça 30 min de atividade física por dia

  Com informações da Agência Brasil.  

Categoria: #CuidarDeVocê