imgTopo Contato separador btnPesquisa
Saúde

Que barulho é esse?

Um problema mais comum do que se imagina. Conhecido como acúfeno, tinnitus ou tinido, o zumbido no ouvido é um sintoma que geralmente está associado à perda auditiva. Por vezes confundido com uma doença, é um sinal do corpo dizendo que algo está errado. Pode ter som semelhante ao de uma abelha, panela de pressão, cachoeira, chiado, apito, cigarra, motor, sirene ou mesmo outros sons. E não pode, de maneira nenhuma, ser ignorado.

“Ele pode ocorrer eventualmente, mas, para muitas pessoas, está presente o tempo todo. Pode afetar o sono, a concentração, a audição e as emoções em graus variados. Em alguns casos compromete de forma extrema a qualidade de vida das pessoas”, alerta a otorrinolaringologista Claudia Barros Coelho, doutora em Ciências Médicas pela Universidade de São Paulo (USP) e médica da Unimed VTRP.

Por isso, não deve ser ignorado. Segundo a Agência Americana de Saúde Pública, ele pode ser considerado o terceiro sintoma que mais causa incômodo perdendo apenas para dor e tontura intensas e intratáveis. Conforme a médica Claudia Barros Coelho, que também é pesquisadora do grupo de zumbido do Departamento de Otorrinolaringologia e Cabeça e Pescoço da University of Iowa (EUA), um estudo da USP divulgado neste ano aponta que cerca de 45 milhões de pessoas no Brasil apresentam estes sintomas. O que significa 22% da população.

 

Blog Unimed VTRP Cuidados com o ouvido

 

“O zumbido é um sintoma que está associado a muitas causas. A mais frequente é a perda auditiva, que ocorre em 90% dos casos. Pode ser a primeira manifestação de doenças metabólicas como o diabetes e aumento do colesterol, hipertensão, doenças da tireoide, anemia, deficiência de vitaminas e minerais. O zumbido também pode ser um efeito adverso de vários medicamentos”, acrescenta.

Mas calma. O diagnóstico, conforme a médica Claudia, é feito com uma boa história clínica e exame físico adequado. Algumas vezes exames
complementares são necessários, incluindo audiometria (teste feito em uma cabine para avaliar os níveis da audição), exames de sangue
e exames de imagem. “É sempre importante procurar a opinião de um otorrinolaringologista”, pontua.

Crianças também já sofrem com o problema
Com a oferta de potentes fones de ouvido, cada vez mais coloridos e de diferentes lugares do mundo, o cuidado com a audição para evitar os incômodos zumbidos precisa ser mais detalhista. A otorrinolaringologista ressalta que o primeiro estudo epidemiológico no Brasil realizado em crianças, com idades entre cinco e 12 anos, ocorreu em Lajeado. ”Encontramos uma prevalência de 17% de crianças que tinham algum grau de
incômodo causado pelo zumbido”, afirma.

 

Blog Unimed VTRP Fones de Ouvido Cuidado Audição 1

 


Como prevenir o surgimento deste distúrbio?

O maior fator de risco para o zumbido é a exposição aos sons de alta intensidade (ruídos que excedam 85 a 90 decibéis) como música muito alta, buzinas, fones de ouvido, fogos de artifícios e ruídos no ambiente de trabalho. Portanto, para prevenir o zumbido:

  • Mantenha o volume baixo;
  • Avalie sua audição periodicamente;
  • Reduza o tempo de exposição ao barulho;
  • Cuide a posição do computador e uso prolongado do aparelho celular;
  • Procure manter os objetos mais utilizados no trabalho ao alcance das mãos e tronco, evitando torções e deslocamentos desnecessários;
  • Ouça e obedeça as orientações da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa) da sua empresa;
  • Utilize tampões (protetores auriculares) em ambientes ruidosos com muito ruído;
  • Faça exercícios regularmente;
  • Tenha uma dieta equilibrada.

 

Quer saber mais? Clique aqui e leia a matéria completa na edição da revista Simples Assim, da Unimed VTRP.

Envie o seu comentário para a Unimed VTRP




siteOficial ans
Todos os direitos reservados Unimed Vales do Taquari e Rio Pardo 2018.
barraRodapeLink
Nossos Favoritos
Sobre a Unimed VTRP
Política de Comentários
Relatório de Sustentabilidade
Revista Unimed
;