Ouvidoria

5 receitas de lanches rápidos e fáceis para... Alimentação Saudável, Coronavírus, Filhos e Gestação, Saúde do Homem e da Mulher

Preparamos dicas de séries, músicas e podcast Coronavírus, Saúde Emocional

Cuidados com a pele das crianças no sol e no... Atividade Física, Filhos e Gestação

Radiação: benefícios x riscos

22 de agosto de 2013

Radiação Blog Unimed VTRP A radiação é constantemente motivo de debates internos na classe médica. Afinal, ela suscita argumentos favoráveis e contrários, sustentados por boas e aceitáveis razões. Por um lado: traz inegáveis benefícios médicos, pois possibilita identificar problemas de saúde. Inclusive pode ser utilizada para tratar o câncer. No entanto, a radiação tem uma desvantagem: sua capacidade de corromper o DNA. Ou seja, mais tarde, pode causar um câncer. “Este tipo de exame é muito solicitado. A indicação médica deve balancear os riscos e os benefícios conhecidos”, indica o oncologista Hugo Schunemann, médico cooperado da Unimed Vales do Taquari e Rio Pardo, que atua em Estrela e em Lajeado. As consequências da falta de consideração desses fatores abrangem desde custos até mesmo riscos para a saúde. “Tanto os médicos quanto os pacientes devem analisar mais a fundo a questão de benefícios e de riscos antes de um procedimento radioativo”, conclui. Raio X Blog Unimed VTRP Os cálculos não param por aí: a cada mil pessoas que realizam uma tomografia, a radiação acrescenta um novo caso de câncer aos 420 que normalmente ocorreriam. É nesse ponto dos debates que a matemática parece perder importância. Afinal, o risco pode aparentar ser pequeno em termos matemáticos. Mas para aquela pessoa afetada por um câncer que poderia ter sido evitado, esse número interfere drasticamente na sua vida. Quanto maior a exposição à radiação, maior a chance de uma pessoa desenvolver câncer e outras doenças como anemia, pneumonia e até a falência do sistema imunológico. A radiação pode alterar o material genético das células, provocando seu crescimento desordenado. Uma situação que motiva as discussões médicas a respeito do tema é a ausência de respaldo científico para justificar a utilização de algum tipo de exame. Ou seja: ainda não foram testados cientificamente em ensaios clínicos apropriados. “Não existe um cálculo sobre o volume de radiação ao qual os pacientes são expostos antes que o médico peça um novo exame. Um câncer causado pela exposição à radiação só iria se manifestar claramente depois de anos. Além disso, poderia ser difícil relacionar a procedimentos feitos no passado”, esclarece o oncologista.  

Categoria: #CuidarDeVocê