Ouvidoria   

PCR, teste rápido, autoteste… Entenda as... Coronavírus

5 receitas de lanches rápidos e fáceis para... Alimentos do Bem, Coronavírus, Filhos e Gestação, Saúde do Homem e da Mulher

Preparamos dicas de séries, músicas e podcast Coronavírus, Equilíbrio | Saúde Emocional

Covid-19 na gestação: saiba como agir e o que fazer!

De modo geral, gestantes e puérperas são mais propensas a desenvolverem quadros infecciosos da doença

03 de fevereiro de 2022

Veja alguns cuidados essenciais para o pré-natal, parto e acompanhamento da gestação em casos positivos para de Covid-19. 

O que fazer se a gestante apresentar sinais graves da doença?  

Graças ao avanço dos índices de vacinados no país, de modo geral os sintomas da Covid-19 têm se mostrado mais leves, manifestando-se através de dor de garganta, cefaleia e tosse. Entretanto, a quaisquer sinais de agravo dos sintomas como: febre persistente, dificuldade respiratória ou cansaço que dificulte ou impossibilite de realizar tarefas comuns do dia-a-dia (como ir caminhando ao banheiro, por exemplo), a gestante deve imediatamente buscar por atendimento médico.  

Como a Unimed tem auxiliado nos casos de Gestantes contaminadas?  

A Unimed VTRP oferece em suas unidades de atendimento a realização do Teste Rápido de Antígeno para Covid-19 e do PCR-RT mediante encaminhamento médico e agendamento. Além disso, a gestante poderá passar por triagem e atendimento no PA Virtual, tendo seu quadro clínico acompanhado e seus sintomas monitorados durante o período de 14 dias. No Programa Meu Bebê, as clientes – que já são monitoradas durante toda a gestação – são acompanhadas durante o decorrer da doença, com equipe à disposição para esclarecimento de dúvidas, orientações e encaminhamentos. 

É possível que haja transmissão de Covid-19 de mãe para filho? 

Não existem evidências científicas que comprovem a transmissão vertical (da mãe para o bebê, intraútero ou durante o parto) do SARS-CoV-2, vírus causador da Covid-19. Do mesmo modo, não existem estudos que evidenciem a transmissão do vírus através da amamentação, devendo o aleitamento ser mantido e estimulado. 

Mulheres grávidas possuem risco aumentado em relação à Covid-19? 

De modo geral, gestantes e puérperas são mais propensas a desenvolverem quadros infecciosos. Inicialmente acreditava-se que, em virtude de modificações corporais específicas da gestação, a Covid-19 poderia ser mais grave em gestantes. Contudo, estudos mostram que a infecção acomete com a mesma frequência e gravidade mulheres grávidas e não-grávidas (CHEN et al., 2020). Os sinais de alerta ficam direcionados às gestantes de alto risco, portadoras de comorbidades como hipertensão, diabetes, problemas vasculares e obesidade que podem por estes motivos apresentar pior evolução da doença (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2021). 

A rotina de consultas e exames de pré-natal deve sofrer alguma mudança em função da pandemia? 

O Pré-Natal deve ser assegurado à todas as gestantes, podendo ser realizado agendamento de forma mais espaçada entre as consultas. Em guia de orientações, o Ministério da Saúde (2021) recomenda a otimização dos atendimentos, agendando consultas e exames para o mesmo dia, por exemplo. Estes cuidados minimizam a exposição da gestante a situações de risco. 

Ainda de acordo com o guia, o intervalo de tempo entre as consultas pode ser estipulado considerando a idade gestacional, a presença de comorbidades e a evolução da gestação. Pode-se, ainda, ser considerada a adoção de teleconsultas. 

Como é feito o atendimento em gestantes com sintomas de Covid-19? 

Existem alguns fluxos que podem ser seguidos pela gestante com sintomas de Covid-19: 

PA Virtual Unimed: através do link https://triagemvirtual.laura-br.com/unimedvtrp, a gestante realiza o preenchimento de formulário que será encaminhado a profissionais responsáveis pela triagem dos sintomas. A partir da triagem, a gestante poderá ser encaminhada para atendimento médico remoto, passando por teleconsulta e recebendo orientações e encaminhamentos conforme necessidade; 

Coleta de Teste Rápido de Antígeno para Covid-19 e PCR-RT: a gestante que apresentar quaisquer sintomas que possam indicar contaminação pela Covid-19 (febre, tosse, dor de garganta, cefaleia, etc),  poderá entrar em contato com seu médico assistente comunicando o quadro e, caso seja necessário, esse solicitará encaminhamento para coleta do teste. Mediante encaminhamento, os testes são agendados e realizados nos espaços de atendimento da Unimed VTRP; 

Hospitais: a quaisquer sinais de agravo dos sintomas, a gestante deverá buscar imediatamente por atendimento hospitalar. O atendimento à gestante deve ocorrer, preferencialmente, em local específico, identificado e isolado dos atendimentos a demais usuários com sintomas respiratórios; 

Monitoramentos: clientes que passaram por atendimento e tiveram o diagnóstico de Covid-19, clínico ou laboratorial, terão seu quadro clínico monitorado por profissionais de diferentes setores da Unimed VTRP (PA Virtual, Programa Meu Bebê ou AIS). 

No caso de gestantes com a forma grave da doença, quais os cuidados devem ser tomados? 

A vacinação contra a Covid-19 assegura a proteção contra as formas graves da doença, entretanto, pacientes com comorbidades prévias ou desenvolvidas durante a gestação podem ainda apresentar algum tipo de complicação. A quaisquer sinais de piora dos sintomas, a gestante deve imediatamente buscar por atendimento a nível hospitalar para avaliação de seu quadro clínico e investigação de possíveis repercussões na gestação. Os agravos decorrentes da Covid-19 podem desencadear quadros de insuficiência respiratória, pré-eclâmpsia, trabalho de parto prematuro, entre outros, sendo de crucial importância atentar à evolução dos sintomas. 

Gestantes com coronavírus devem antecipar ou prologar o parto para evitar maiores danos aos bebês? 

Não. Não existem evidências científicas que comprovem danos aos bebês de gestantes com apresentações leves da Covid-19. A antecipação do parto só deve acontecer em caso de avanço da doença ou quando o quadro clínico ofereça risco para o binômio mamãe-bebê, e sempre após criteriosa avaliação médica.  

Mães com diagnóstico positivo de Covid-19 devem interromper a amamentação? 

Não. O aleitamento materno deve ser mantido e estimulado, já que seus benefícios se sobrepõem ao risco de contaminação do bebê. A mãe que está amamentando deve manter os cuidados de higiene e etiqueta respiratória já conhecidos: uso de máscara (preferencialmente PFF2 ou N95) e higiene frequente das mãos com água e sabão ou álcool gel 70%. Durante o aleitamento materno, além dos inúmeros nutrientes – fundamentais para o crescimento e desenvolvimento do bebê – a mamãe passa para o bebê através do leite diversos anticorpos que o protegem contra infecções (incluindo a Covid-19) e fortalecem sua imunidade, funcionando também como uma forma de imunização.  

Compartilhe esse conteúdo! Baixe o pdf com todas as informações clicando aqui.

FONTES CONSULTADAS:

  • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Manual de recomendações para a assistência à gestante e puérpera frente à pandemia de Covid-19 / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção Primária à Saúde, Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. – 2. ed. – Brasília : Ministério da Saúde, 2021. 
  • UNIMED VTRP. Guia de Recomendações para Gestante e Lactante: tudo o que você precisa saber para cuidar da sua saúde e a do seu filho em tempos de Covid-19. Unimed Vales do Taquari e Rio Pardo. 2020.