imgTopo Contato separador btnPesquisa
Saúde

Até que ponto é normal se sentir ansioso?

Podemos dizer que a ansiedade é um sentimento de quem vive no futuro, se preocupando com as coisas que ainda vão acontecer. Mas graças a ela estamos vivos hoje, pois a ansiedade nos fez ser mais cautelosos durante a evolução.

Ansiedade pode ser definida como aflição, angústia, perturbação causada pela incerteza, ou qualquer sentimento que tenha relação com contexto de alerta e perigo. Este sentimento nos estimula a entrar em ação, porém de forma excessiva faz exatamente ao contrário, impedindo nossas reações.

A primeira pessoa a falar em ansiedade da maneira como a conhecemos hoje foi Sigmund Freud, no fim do século 19, e, ainda assim, com uma definição bem pouco precisa: ansiedade é o medo de “algo incerto, sem objeto”.

 

Mulher sentada em frente a um computador com feições de preocupação

 

O significado mais aceito hoje em dia vem do psiquiatra australiano Aubrey Lewis que, em 1967, descreveu o termo como “um estado emocional com a qualidade do medo, desagradável, dirigido para o futuro, desproporcional e com desconforto subjetivo”. De uma forma geral, a ansiedade é um sentimento incômodo e projetado para o futuro. A pessoa ansiosa vive num estado de alerta constante por causa de uma situação que pode acontecer e causar sofrimento.

Ansiedade não é doença. Ela faz parte do nosso sistema de defesa e está projetada em quase todos os animais. Tudo em excesso faz mal, sendo assim, confira quando a ansiedade é vista como “normal” e quando ela deve ser avaliada com cuidado para que você tenha uma vida saudável.

 

Preste atenção se:

  • Você tiver preocupações, tensões ou medos exagerados (não consegue relaxar);
  • Sensação contínua de que um desastre ou algo muito ruim vai acontecer;
  • Preocupações exageradas com saúde, dinheiro, família ou trabalho;
  • Medo extremo de algum objeto ou situação em particular;
  • Medo exagerado de ser humilhado publicamente;
  • Falta de controle sobre pensamentos, imagens ou atitudes, que se repetem independentemente da vontade;
  • Pavor depois de uma situação muito difícil.

 

Mulher sentada em frente ao computador se alongando

 

Quando a ansiedade é um problema

Quase um quarto da população brasileira tem algum dos transtornos abaixo durante a vida. Mas não fique ansioso, todos têm tratamento!

 

Síndrome do pânico

A doença causa ataques esporádicos que começam com uma crise de ansiedade. A pessoa fica nervosa, sente a respiração ofegante e o batimento cardíaco acelerado. Com esses sintomas, ela imagina que está passando por um grave problema de saúde. Esse pensamento a deixa mais nervosa, o que leva a mais alterações no corpo. Terapia junto a um psicólogo costuma ser eficiente nesses casos.

 

Trastorno obsessivo-compulsivo

TOC são pensamentos involuntários, geralmente ligados a 4 temas: limpeza, sexualidade, religião e violência. É o caso de quem acha que suas mãos estão sempre contaminadas com bactérias e as lava a todo o momento. O TOC pode ser controlado com acompanhamento médico e medicação, principalmente aquelas que aumentam a quantidade de serotonina no corpo.

 

Fobias

São medos desproporcionais a objetos e situações. Há mais de 200 tipos registrados, mas as mais comuns são as relativas a pequenos animais, exposição ao sangue, a lugares fechados e ao encontro com outras pessoas. Quase sempre, a pessoa reconhece que sofre em excesso. O tratamento nesses casos é por meio de exposição gradual às situações temidas com acompanhamento médico ou psicológico.

 

Estresse pós-traumático

O distúrbio foi percebido pela primeira vez em veteranos de guerra que, muitos anos depois da batalha, não conseguiam esquecer as experiências traumáticas. Mas qualquer pessoa que foi vítima ou testemunha de extrema violência pode ter o distúrbio. Com o aumento do número de acidentes de trânsito e assaltos, o distúrbio ficou também mais comum. Sempre indicado um acampamento psicológico para passar por este estresse.

 

Ansiedade generalizada

É difícil diagnosticar esse transtorno. Ele se caracteriza por uma preocupação extrema e constante que impede a pessoa de relaxar e de levar uma vida normal por longos períodos de tempo, pelo menos seis meses. Geralmente, é consequência de uma disfunção, que faz a pessoa focar em seus problemas e fantasiar outros novos. Pode ser tratado com acompanhamento médico e remédios que aumentam a serotonina.

 

Aula de Yôga em Grupo

 

Como lidar com a ansiedade no dia a dia:

  • Pratique exercícios físicos! Sim, este é um “remédio” para quase todos os males. Para ajudar a diminuir a ansiedade, os exercícios aumentam a produção de serotonina, o que nos deixa mais relaxados e dispostos. Caminhar três vezes por semana, por meia hora, já pode ajudar! O momento da caminhada, além de ser um exercício para o corpo, também pode ser aproveitado para trabalhar a mente. Quando andamos, pensamos. A caminhada de meia hora é um movimento repetitivo e acabamos pensando nos pontos de nossa vida que geram ansiedade e que precisamos trabalhar.
  • Reduza o estresse diário. Para reduzir o estresse vale utilizar algumas técnicas como fazer ioga, meditação e até mesmo usar tratamento alternativos como a homeopatia. Essas técnicas ajudam na hora de ter mais controle sobre o estresse.
  • Mantenha a calma e reduza as reações por impulso. Para isso devemos fazer o controle da respiração. Isto pode ser feito compassando a respiração e inspirando lentamente pelo nariz, com a boca fechada. Depois, expirar lentamente, expelindo o ar pela boca. Isto pode ser feito em qualquer lugar, a qualquer hora.

 

Caso você tenha qualquer dúvida se a ansiedade está se tornando um problema de saúde, consulte seu médico ou psicólogo de referência, ele é a melhor pessoa para lhe ajudar a ter mais qualidade de vida.

Fonte: Organização Mundial da Saúde – Cross-national comparisons of the prevalences and correlates of mental disorders, 2000 e 2004.

 


Envie o seu comentário para a Unimed VTRP




siteOficial ans
Todos os direitos reservados Unimed Vales do Taquari e Rio Pardo 2017.
barraRodapeLink
Nossos Favoritos
Sobre a Unimed VTRP
Política de Comentários
Relatório de Sustentabilidade
Revista Unimed
;